Odisséia da Antártica para o Mar de Ross e ilhas Peter & Campbell

Esta viagem de 32 dias unifica o continente sul-americano saindo desde Ushuaia para a Nova Zelândia alcançado o Porto de Invercargill. No caminho será possivel conhecer as Ilhas Pleneau e Peterman,e logo vamos além do Círculo Polar Antártico para entrar nas águas do Mar de Bellinghausen, seguida continuamos rumo ao Mar de Amundsen para chegar à Plataforma de Gelo do Mar de Ross.

Odyssey Antártida: Rumo ao Mar de Ross, Peter & Ilhas Campbell

32 días - 31 noites

Os tesouros do continente Antárctico e das ilhas, a maravilhosa navegação _ pelo espetacular mar de Ross com suas magníficas plataformas de gelo, são algumas das surpresas maravilhosas que teremos nesta viagem surpreendente que conecta Ushuaia com Bluff, Nova Zelândia e retornando a partir do porto de Bluff até Ushuaia.

Odyssey Antártida: Rumo ao Mar de Ross, Peter & Ilhas Campbell

Uma verdadeira viajem de descobrimento, que estarão incluidos os atrativos mais conhecidos e até famosos da Península Antártica, assim também vamos  maravilharmos com os lugares menos visitados  como a ilha vulcânica Peter. Um programa de exploração integral ao longo das margens exteriores da placa de gelo no Mar de Amundsen, o ponto de partida pelo qual Roald Amundsen ganhou acesso à plataforma para, finalmente, atingir o Pólo Sul em 1911. Uma levadeira e interessante navegação pelo Mar de Ross, ao regressar aos refúgios dos exploradores britânicos Ernest Shackleton e Robert Falcon Scott (sempre que se apresentem as condições do gelo favoráveis) por ultimo a Ilha Campbell irá completar esta emocionante proposta nesta maravilhosa e inesquecivel  Odeissea Antártida.

Ushuaia - BLUFF / BLUFF – Ushuaia

A primeira partida de 09 de janeiro de 2015 parte desde Ushuaia para Bluff, Nova Zelândia, conforme está escrito no roteiro explícito abaixo, No entanto, a segunda saída de 11 de fevereiro de 2015, será  a partir do porto de Bluff, na Nova Zelândia, um dia após a chegada da primeira viagem para Ushuaia, a viagem é o inverso da primeira.

32 días - 31 noites

Dia 1 - Partida desde Ushuaia

Este passeio fantástico começa à tarde no porto mais austral do mundo localizado em Ushuaia, capital da provincia  argentina de  Tierra del Fuego. Após embarcar no navio M/V Ortelius o mesmo irá pelo canal de Beagle, afastando-se da baía para o oceano aberto, mostrando uma bela paisagem noturna.

Dia 2 até 3 - Navegando pela Passagem de Drake direção a Peninsula

Durante dois dias, o navio se move através da Passagem de Drake, a rota marítima mais curta e agitado entre o continente americano e Península Antártica. Quando chegar à Convergência Antártica, que é uma barreira natural onde as correntes quentes do norte se misturam com a água fria do sul e determinam uma grande biodiversidade, várias espécies de sub-antárticas podem ser apreciados neste pedaço de mar.

Nesta área provavelmente será possivel identificar o magnífico albatroz errante, o maior pássaro que voa sobre estas águas e pode medir até 3,5 m de envergadura; o albatroz de cabelos grisalhos, o escuro de manro com luz albatro -de-sobrancelha preta, os belos pombos e petréis de Wilson, azul e antarticos como assim também o petrel do Fulmar austral o petrel prateado. Não podemos deixar de mencionar os peculiares pingüins Gentoo e de barbicha. Muito perto das ilhas Shetland do Sul, pode se observar os primeiros icebergs.

Dia 4 - As ilhas Pléneau & Peterman

Após superar a convergência antárctica, o navio navega através do espetacular Canal de Lemaire para abordar a península no início da manhã. A primeira excursão será feita na Ilha Pleneau onde os elefantes-marinhos descansam distantes nas praias da costa. Pinguins Gentoo, gaivotas cozinheiras e as skuas guardam zelosamente os seus ninhos e filhotes recém-nascidos.

Pleneau foi a primeira Ilha explorada pela Expedição Antártica Francesa de 1903-1905 comandada por Jean-Baptiste Charcot, e foi nomeado após a expedição do fotógrafo da expedição Paul Pleneau. O passeio continua até a Ilha Petermann, nomeada assim em homenagem ao geógrafo alemão August Peterman que fazia parte da equipe de exploração alemã em 1873 e 1874, nesta região será possivel observar as colônias de pingüins Gentoo Adélie, junto com cormorães  imperial assim como também os de olhos azuis.

Dia 5 - Além do Círculo Polar: Fish Island

Em movimento para o Sul através do Estreito Penola, cruzando o Círculo Polar Ártico avançamos até Fish Island (Ilha do Peixe). Essas pequenas ilhotas descansam ao leste das ilhas Flouder e são chamadas de "The Minnows", foram exploradas pela primeira vez por John Rymill em sua expedição britânica à terra de Graham (1934-1937). A Ilha Detaille foi descoberta pela expedição francesa de Charcot (1903-1905) e inspirado no nome de  um acionista da companhia baleeira de Magalhães. De 1956 a 1959, o Serviço Antártico britânico teve sua "Estação W" colocadoa em uma pequena ilha. Em ambos os cantos podem ser avistados os pingüins de Adélia, cormorães  imperial e os de olhos azuis.

Dia 6 até 7 - No mar Bellingshausen: Placa de Gelo Bellinghausen

Cruzando o Mar de Bellingshausen vamos poder avistar a  primeira placa de gelo. Esta água, que têm o nome de um explorador russo: Fabian G. von Bellingshausen, emergem do Oceano Antártico, a oeste da península entre as Ilhas de Thurston e Alexander I.

Dia 8 - Peter Island

Sobre as águas do Bellingshausen, a peter I ou no idioma  norueguês Peter I  Øy é uma ilha vulcânica desabitada de aproximadamente 19 quilômetros de comprimento, que foi descoberta por Fabian G. von Bellingshausen em 1821 e nomeada logo  pelo zar russo Peter I. Atualmente, é reivindicada pela Noruega que à considera parte de seu território e costuma receber cruzeiros de turismo muito esporadicamente. Em desembarques anteriores, os  membros da staff  da empresa naviera avistaram grupos de elefantes -marinhos e colônias de petréis prateadas e fulmares do sul e pombos do Cabo.

Dia 9 até 14 - Pelas aguas do Amundsen

Por vários dias navegamos através do Mar de Amundsen e pelos limites dos banco de gelo. À medida que o barco tira proveito da corrente costeira do oeste, e se as condições do clima são boas, a barreira dará uma sorpresiva imagem clara do continente antártico. A navegação através do gelo é incrível, poderemos aprecira da vista de alguns pinguins imperador descansando grupos de focas no gelo assim tambem orcas e baleias minke ao longo da extremidade gelada, geralmente acompanhada por diferentes espécies de petrels meridionais. Se o mar e o gelo estiverem tranquilos, vamos tentar fazer um desembarque nas ilhas Shephard, entre as colônias de pinguins barbicha e de skuas. Localizada na terra de Marie Byrd, a ilha foi nomeada em honor a um dos sobrenome de um dos promotores da expedição americana feita entre os anos 1939-1941.

Dia 15 - A Barrera de Ross

O barco se aproxima da plataforma de gelo Ross, uma enorme massa flutuante com uma parte dianteira de 600 km de comprimento, e que em médias está elevada em 30 metros de altura. Na Baía de las Ballenas localizada no lado leste, perto da ilha de Roosevelt (assim chamado em 1934 pelo aviador Richard Byrd em honra do presidente Franklin D. Roosevelt), Ronald Amundsen teve acesso à barreira e aventurou-se para o Pólo Sul, onde ele finalmente chegou no dia 14 de dezembro de 1911. Um ano mais tarde, viria a ser o túmulo do expedicionario Inglês Robert Falcon Scott e de sua tripulação quando eles voltaram de sua viagem para o Pólo Sul. É também uma oportunidade para todos os viajantes subir até a magnífica plataforma.

Dia 16 - Ao longo da barreira de Gelo Ross, navegando para oeste.

Dia 17 até 21 - As Ilhas do Mar de Ross, Cabo Royds e Cabo Evans

No Mar de Ross se conhece pelo mesmo nome a Ilha, protegida pelas montanhas Erebus e Terror e Bird com todos os lugares muito emblematicos e que desempenharam um papel importante e dramática expedição britânica com no século passado, como a cabana de Ernest Schakleton no cabo Royds. Se o estado dos gelos forem favoráveis, teremos a oportunidade de visirtar o Cabo Evans onde está construída a cabana de Robert Falcon Scott, que serviu de base para Scott e seus homens para empreender a sua viagem para o Pólo Sul. Tentaremos realizar um passeio pela Estação McMurdo dos Estados Unidos na base Scott em Nova Zelândia. Desde Castle Rock è possivel contemplar uma vista deslumbrante da vasta plataforma de gelo que se estende em direção ao pólo e uma bela vista do Vale do Taylor, um dos vales secos que mais se assemelham as condições do planeta Marte em nossa Terra..

Dia 22 até 23 - Partindo da Costa Oeste do Mar de Ross para a estação em Terranova

Navegando rumo ao norte ao longo da parte mais oriental da costa oeste do Mar de Ross, se atravessa a língua de gelo Drygalski e estação italiana no Baia de Terra Nova e Cabo Hallet.

Dia 24 - Cabo Adare e a mais grande colônia de pinguims de Adélie

Cabo Adare foi o lugar escolhido por um grupo de expedicionarios para que podessem passar o seu primeiro inverno no Continente Antártico. O Refugio onde o norueguês Borchgrevink passou os dias frios de 1899, está atualmente cercado pela maior colonia de pinguims Adelia do mundo. Este cabo foi descoberto por Ross Clark a meados do século XIX e foi batizado com o nome de um amigo pessoal, o Visconde de Adare. As expedições mais famosas que percorriam esta área foram a de Southern Cross e Aurora, que estabeleceram a base para seu acampamento, assim tambem como a expedição Terra Nova no começo do século XX, atualmente o acampamento de Terra Nova é sinônimo de ruínas.

Dia 25 - No Mar

Dia 26 - Pelo mar até alcançar a Ilha Scott e Pilar de Haggitt

A Ilha Scott é uma pequena ilha que não está habitada, o seu origem vulcânico foi no do Oceano Antartico Está localizado aproximadamente à 495 km ao nordeste de Cabo Adare. As suas dimensões são muito pequenas, apenas 365 metros de comprimento e cerca de 173 metros de largura. Perto da Ilha Scott, é possivel observar o Pilar de Haggitt A ilha consiste principalmente de uma estrutura rochosa e possui duas entradas com as suas propias praias.

Dia 27 até 29 até 30 - Pelo mar rumo à recuperada Ilha Campbell, Nova Zelândia

Nos dirigimos para o norte para descobrir na Ilha Campbell uma reserva natural de nidificação dos albatroz-real. As Ilhas Campbell, constituem um grupo de ilhas sub-antárticas com soberania da Nova Zelândia. Formadas pela mais grande, a Campbell, e outras três ilhas menores: Dent, Folly e Jaquemart. A ilha Campbell chamada na lingua maori de “Motu Ihupuku” é uma ilha remota no Oceano Pacífico, é a ilha principal das Ilhas Campbell. Considerada uma reserva sub-antartica que pertence à Nova Zelândia. Foi declarado Património Mundial pela UNESCO. É famosa pela sua frondosa e próspera vegetação. Seguindo uma trilha de exuberante vegetação chegaremos aos mirantes para observar os ninhos dos albatroz-real, neste maravilhoso lugar será possível tirar fotografias da interessante fauna, como os peculiares pinguims de olhos amarelos, albatroz real e leões-marinhos que habitam a Ilha Enderby junto com os pericos de cabeça vermelha.

Com características montanhosas, a Ilha de Campbell foi descoberta no princípio do século XIX, por um marinheiro chamado Hasselburgh que navegava pela região com seu barco Perseverance, os donos da companhia australiana se chamava Campbell, foi essa a causa do seu nome atual. Ao longo do século XIX a vida selvajem deste maravilhoso lugar foi devastada pela caça indiscriminada de focas, lobos e elefantes-marinhos e leões-marinhos, mas com o tempo foi se recuperando. Uma curiosidade desta ilha é que faz mais de 200 anos, no inicio do século XX foi introduzida na fauna un rato que consegui-se erradicar. No presente as aves marinhas são abundantes, especialmente a cerceta Ilhas Campbell, que é considerada a mais rara na atualidade. Também diferentes espécies de pinguins, como o pinguim de Rockhopper ( de penacho amarelo). A fauna é composta de colônia de albatrozes reais, elefantes marinhos e pingüins e, especialmente, uma grande colônia de albatrozes em Col-Lyall Saddle.

Dia 31 - Navegando para a Nova Zelândia

No mar em direção ao porto de Invercargillem Nova Zelandia. Invercargill é a cidade que está situada mais ao sul da superfície territorial da Nova Zelândia, é a área comercial da zona de Southland, localizada nas margens do Rio Oreti.

Dia 32 - Final da odisséia Antartica, atingindo Nova Zelandia

Fim de uma longa viagem no porto de Invercargill, Nova Zelândia, onde os passageiros partem de volta para seus países. Bluff é o porto da região de Southland, e também o povo mais meridional da Nova Zelândia. Bluff está muito próximo à Invercargill, aproximadamente a 29 km de distância.

Note: O itinerário detalhado serve apenas como orientação, todos os programas estão dependentes das condições existentes de gelo e clima da região, além da facilidade para os desembarques e as melhores condições de observação da vida selvagem. O percurso final é determinado pelo Líder de Expedição a bordo, considerando que a flexibilidade é uma prioridade em tais expedições.

Mapa de Rota

 Odyssey Antártida: Rumo ao Mar de Ross, Peter & Ilhas Campbell

Serviços

Todas as tarifas indicadas são por pessoa em dólares americanos, na cabine dupla twin. As tarifas em dólares aplicam-se para todas as ventas que façam fora de Europa. Se oferecera um 5% de desconto para reservas de um ou mais viagens consecutivas (exceto para o programa “Odisséia Atlántica”). Por favor, considere que todas as datas e tarifas estão sujeitas à possíveis cámbios. Todas as viagens operam com um mínimo de 70 passageiros. O “Plancius” pode acomodar até um máximo de 110 passageiros.

Ocupação individual (base single)

Todas as cabines estão disponíveis para ocupação SINGLE à 1.7 vezes o preço da mesma

Os serviços incluem:
  • Viagem a bordo da embarcação como se indica no roteiro
  • Todas as refeiçoes durante a viagem a bordo do cruzeiro, incluindo os aperitivos (café e chá)
  • Livre acesso de botas de chuva e raquetes de neve (calçado)
  • Traslado em serviço regular desde a embarcação até o aeroporto de Ushuaia (direitamente depois do desembarco)
  • Todas os passeios em terra e atividades durante toda a viagem barcos pequenos Zodiac
  • Programa de conversas e conferências por reconhecidos naturalistas e coordinação pelo experimentado equipe de expedição
  • Todos os impostos dos serviços e gastos portuários durante o programa
  • Material de leitura informativo antes da partida
Serviços não incluem:

Nenhuma tarifa aérea, tanto para vôos regulares ou vôos charter, nenhum serviço antes ou depois ao cruzeiro, traslados a embarcação; gastos de pasaporte e de visto; taxas governamentáis de chegada ou saída do pais, refeiçoes em terra, bagagem, cancelamento e seguro pessoal (o qual é muito recomendável), gastos por excesso de bagagem e qualquer outro gasto adicional de caráter pessoal, como lavanderia, bar, bebidas ou ligaçoes; assim como também a gorjeta ao final das viagens para garçoes e outro pessoal de serviço a bordo.


Contate-nos Reservar Baixar PDF